21 fevereiro 2007

NÃO ABORTE AS PROMESSAS

Quero começar o ano compartilhando algo bastante especial que vivenciei nestes dois últimos mêses.
Há 16 anos, minha mãe separou-se do meu pai. O casamento deles não era nada fácil e todos nós sofremos muito com isso. No principio o susto, o mêdo, a raiva e depois a aceitação e o apêlo pela misericordia de Deus. Ele que é cheio de graça e misericordia, nos manteve firmes na expectativa de que suas promessas se cumpririam em nossa família.
Depois da separação, minhas três irmãs mais novas, foram morar com seus respectivos namorados. No começo do ano passado, estes “casamentos” começaram a incomodar minhas irmãs e graças a Deus, a Carla, depois da conversão do companheiro, acabou se casando, assumindo o seu compromisso. Uma sobrinha que também vivia com o namorado, casou-se praticamente no mesmo mês que a Carla. Tremendo!!
Elda, uma outra irmã, que já vivia 15 anos com o Cosme, passou a considerar seriamente em oração a sua situação. Mas ela sempre me dizia: “Não consigo me casar, mas também não consigo deixá-lo”.
No mesmo dia do casamento da Carla, o Cosme teve um infarto fulminante vindo a falecer. Recebemos a notícia só dois dias depois, porque o Cosme estava traba lhando no Sul. Graças a Deus, porque caso contrário não conseguiríamos nos alegrar com o casamento da Carla. Foi muito dificil perder o Cosme. Ele era muito querido na família. Para mim era como um irmão. Viajamos juntos, fizemos muitas coisas juntos. Ele auxiliou na reforma do meu apartamento porque era engenheiro. Graças a Deus, eu pude falar de Jesus para o Cosme e ele orou entregando a vida a Cristo. A morte dele deixou a Elda muito abalada, mas vimos Deus agir nessa situação.
A Eliane, outra irmã, depois de ver tantas mudanças na família, decidiu também acertar a sua situação. Ela passa a morar sozinha daqui pra frente. Todas essas mudanças ocorreram de novembro pra cá. O Cosme foi sepultado no dia 21/11/06.
Mas Deus não parou por ai. No final do ano, meu pai buscou a reconciliação com minha mãe, pedindo pra ela voltar pra casa. Ela relutou um pouco, pensou e pensou e no começo de fevereiro, ajudei na mudança da minha mãe de volta pra casa. Ambos estão se adaptando a um outro tipo de relacionamento, muito mais respeitoso e amoroso, com muito temor ao que Deus fez conosco nestes últimos tempos. Brindamos neste dia! Foi a coisa mais linda que nos aconteceu. Estamos extremamente felizes!
E para completar, meu pai foi curado do câncer. Ele reagiu muito bem às sessões de quimioterapia. Segundo o Dr. Edilson, meu pai deverá fazer apenas consultas e exames de rotina para controle. Meu pai ao dar a notícia falou: “Eu não disse a vocês que eu não morreria desta doença?” Deus me curou!”
Fecho este testemunho afirmando que realmente Deus não aborta as promessas que faz. Se Ele prometeu Ele há de cumprir! Esperemos pois no Senhor