31 outubro 2009

PERDÃO É UMA PERDA MUITO GRANDE

Perdi meu amado pai em 14 de dezembro de 2008 e no dia 9 de Janeiro de 2009, perdi meu cunhado. Chorei muito lamentando minhas perdas. Quando parecia que começava a experimentar um certo equilibrio das minhas frágeis emoções, perdi meu irmão de apenas 41 anos no dia 31 de agosto de 2009.

Sem entender nada o motivo de tantas perdas, uma amiga me disse: Perdas Ieda tem a ver com perdão. Não entendi! Eu tenho que perdoar o que? O que eu fiz de errado? Eram as perguntas que vieram à minha mente. Fiquei com aquilo. Perdoar o que? Como a vida não para, continuei perdendo. Há perdas por motivos de morte e essas sinceramente são mais fáceis de aceitar. E aquelas perdas quando o outro decide ir embora sem muita explicação? ou decide em seu coração partir mas continua de corpo presente? e aquelas perdas das pessoas que aparentemente nos reafirmavam a auto-estima?

Hoje, podendo fuçar um pouco na internet por causa da visão que aos poucos vai retomando, que sem dúvida também foi uma perda, tomei conhecimento de um texto de Benjamin Mandelbaum, dizendo que PERDÃO É UMA PERDA MUITO GRANDE. Segundo ele, " a palavra perdão, poeticamente pode ser tomada como aumentativo, um perdão, nos apontando para uma grande perda. Que perda é essa? é a perda da ilusão de perfeição. Só se pede perdão, ou se é pedido, através da admissão do erro, do engano, do equívoco, da falha ou do mal feito. Desse modo, o perdão é a fragmentação narcísica, quando a imagem de perfeição se parte em cacos, quebrando a idealização da imagem onipotente do ego. O perdão é o parto de si . É preciso o desapego ao ego para chegarmos verdadeiramente a si, ao self. No perdão as perdas dão cria"

Ao me deter um pouco mais nesses pensamentos sobre essas perdas e principalmente aquelas que, segundo o meu entender não deveriam acontecer, reconheço que é a perda da minha onipotencia, do meu desejo de controlar tudo, de explicar tudo, da tentativa de controlar o que não se pode controlar. É realmente uma perda grandona pra eu me conscientizar de que sou nada, que mal e porcamente consigo controlar a mim mesma, e isso, até que o criador decida, se quiser interromper a minha existência. Algumas de minhas perdas, de fato, são perdas necessárias para que eu alcance meu próprio coração, pra que eu encontre a mim mesma, carente de perdão.

UMA ORAÇÃO SILENCIOSA

"Bom é aguardar a salvação do Senhor, e isso em silencio!
Assente-se solitário e fique em silêncio ;
Ponha a sua boca no pó; talvez ainda haja esperança;
O Senhor não rejeitará para sempre;
pois ainda que entristeça a alguém ,
usará de compaixão segundo a grandeza
das suas misericordias;
pois não aflige nem entristece de bom grado
aos filhos dos homens.
Por que pois se queixa o homem vivente?
Queixe-se cada um dos seus PRÓPRIOS pecados.
Os meus olhos choram, não cessam e não há descanso,
ATÉ QUE o Senhor atenda e veja lá do céu"